FUNCEB divulga resultado do Edital de Apoio a Grupos Artísticos do Estado da Bahia

Através do Fundo de Cultura da Bahia, seleção vai distribuir mais de R$ 800 mil para 12 projetos de grupos de dança e de teatro

A Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), unidade da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA), divulga resultado do edital Apoio a Grupos Artísticos do Estado da Bahia, que objetiva incentivar o aperfeiçoamento de grupos artísticos baianos, nas áreas de dança e teatro, através do apoio a projetos de trabalho continuado de pesquisa e produção artística. Foram 12 projetos selecionados (5 em dança; 7 em teatro), que serão beneficiados com um valor total superior a R$ 800 mil, mediante recursos provenientes do Fundo de Cultura da Bahia (FCBA). A lista de contemplados, já publicada no Diário Oficial do Estado, pode ser consultada aqui.

“Depois da chamada pública realizada pelo Fundo de Cultura em 2007/2008 para oferecer apoio a grupos artísticos, a Fundação Cultural retomou este importante propósito ao lançar um edital inédito voltado para a questão. Contribuir para consolidar coletivos capazes de produzir e difundir cultura na Bahia é realizar uma ação estruturante, que fortalece as áreas de dança e teatro do Estado”, registra Gisele Nussbaumer, Diretora da FUNCEB.

A verba do edital se distribui, em cada categoria – dança e teatro –, em quatro módulos de diferentes faixas de valor (R$ 30 mil, R$ 60 mil, R$ 90 mil e R$ 135 mil), que exigiam que os grupos tivessem, no mínimo, um ano de existência e diferentes níveis de profissionalização. Os projetos contemplados preveem o desenvolvimento de ações regulares pelo período de um ano, abrangendo, por exemplo, atividades de pesquisa, criação, intercâmbio, repertório, ensaios e apresentações, além de trabalhos de capacitação externa e formação de plateia.

Sobre Manutenção de Grupos
A ideia de Manutenção de Grupos como política pública para o teatro (e posteriormente para a dança) surge no Brasil a partir do Movimento Arte Contra a Barbárie, criado em São Paulo no final dos anos 1990. Foi uma reunião de artistas e grupos de teatro, além de intelectuais, que questionavam o modelo de financiamento da cultura baseado exclusivamente no incentivo fiscal e a falta de diálogo entre o poder público e a sociedade. Em seu primeiro Manifesto, de 1999, lê-se: “A aparente quantidade de eventos faz supor uma efervescência, mas, na verdade, disfarça a miséria dos investimentos culturais de longo prazo que visem à qualidade da produção artística”.

Este movimento de pessoas interessadas em pensar a cultura de forma mais edificante, respaldada em debates, seminários e discussões promovidas continuadamente, resultou na Lei nº 13.279, sancionada pela então prefeita Marta Suplicy em 2002. Com a lei, que instituiu o Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, novos espaços surgiram, intercâmbios se intensificaram, montagens ousadas reapareceram, grupos novatos se firmaram, grupos veteranos foram reconhecidos. A experiência paulista provocou a discussão, em praticamente todo o país, do papel do teatro de grupo na conformação do teatro brasileiro.

O Programa Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura (Procultura), mais conhecido como “mudança da Lei Rouanet”, que prevê, dentre outras ações, o fomento a núcleos artísticos com trabalho continuado, surge também como resultado dos esforços da classe. Percebe-se, aí, o avanço de se ter incluído, na proposta de lei, as ideias e demandas elaboradas pela sociedade civil, que se ampliam para a produção e circulação de espetáculos ou atividades teatrais, alcançando, assim, além dos grupos, os pequenos produtores brasileiros.

Para além do teatro, logo os artistas da dança inspiraram-se no modelo e conseguiram sancionar sua primeira lei, também em São Paulo.

Na Bahia, as reverberações destes anseios são claras. Em 2007/2008, o Fundo de Cultura da Bahia (FCBA), vinculado à SecultBA, convocou os artistas, através de chamada pública, a apresentarem projetos de manutenção de grupos artísticos. Através desta iniciativa inédita no estado, oito grupos de teatro e de dança foram contemplados e desenvolveram projetos de continuidade, que ratificaram a necessidade de desenvolvimento de mecanismos de fomento a projetos de longo prazo, estruturantes. Dando mais um passo neste sentido, a FUNCEB lançou este primeiro edital Apoio a Grupos Artísticos do Estado da Bahia, que formaliza o incentivo ao aperfeiçoamento de grupos de dança e de teatro através do apoio a projetos de trabalho continuado de pesquisa e produção artística.

Anúncios

Os comentários estão desativados.