Prêmio Braskem de Teatro 2011 anuncia indicados

Na lista dos espetáculos concorrentes, sete foram contemplados em mecanismos de apoio da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia

Dividido em oito categorias – “Espetáculo Adulto”, “Espetáculo Infanto-Juvenil”, “Direção”, “Ator”, “Atriz”, “Texto”, “Revelação” e “Categoria Especial” –, o Braskem de Teatro premia todos os anos os melhores do teatro da Bahia. No próximo dia 4 de abril, no Teatro Castro Alves, serão conhecidos os destaques dos palcos baianos do ano de 2011, na 19ª edição do Prêmio. Além do troféu, os premiados em “Espetáculo Adulto” e “Espetáculo Infanto-Juvenil” ganham R$ 30 mil, e os demais recebem R$ 5 mil cada. Ao todo, 16 peças tiveram indicações – destas, sete foram contempladas em mecanismos de apoio da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA), contribuindo para a montagem e/ou difusão destes trabalhos.

Dentre os espetáculos adultos, Meu Nome É Mentira, escrito e dirigido por Luiz Marfuz, teve o maior número de indicações, cinco no total: além da categoria principal, de “Espetáculo Adulto”, concorre em “Direção”, “Atriz” (Vera Pessoa, que foi indicada também pela atuação em Vestir os Nus), “Texto” e “Categoria Especial” (Luciano Bahia, pela trilha sonora). A montagem, que conta a história de um comerciante falido que vai em busca de um raro metal no oeste baiano, teve incentivo do Calendário de Apoio a Projetos Culturais 2011, da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), unidade da SecultBA. Além disso, ela integra a Temporada Verão Cênico, tendo sido selecionada através de edital da FUNCEB, e, assim, estará em cartaz na Sala do Coro do TCA, nos dias 8 e 15 de fevereiro (quartas-feiras), às 20 horas, com ingresso ao valor de R$ 1.

Sargento Getúlio, dirigida por Gil Vicente Tavares à frente do Teatro NU, compete a quatro prêmios: “Espetáculo Adulto”, “Direção”, “Ator” (Carlos Betão) e “Categoria Especial” (Eduardo Tudella, pela iluminação). O espetáculo foi patrocinado pelo Fazcultura em 2011 e também foi selecionado pelo edital Temporada Verão Cênico – dentro da programação do projeto, já fez duas sessões na Sala do Coro do TCA, nos dias 4 e 11 de janeiro, com ingressos esgotados, e ainda se apresentará em 18 de janeiro no Espaço Xisto Bahia e nos dias 1º e 8 de fevereiro no Teatro Gamboa Nova, sempre às 20 horas e com ingresso a R$ 1. A peça retrata Getúlio Santos Bezerra, personagem de um grande poema épico e de contradições, que tem a missão de levar um prisioneiro de Paulo Afonso a Sergipe; no entanto, a meio do caminho, a ordem de seu chefe é desfeita e o destemido sargento, contra tudo e todos, toma uma grande decisão.

Com três indicações, Namíbia, Não! pode dar a Lázaro Ramos o prêmio de “Direção”, além de disputar em “Espetáculo Adulto” e “Texto” (Aldri Anunciação). Também patrocinado pelo Fazcultura em 2011, a trama se desenvolve no ano de 2016, quando o governo brasileiro decreta uma Medida Provisória obrigando que os negros sejam capturados e enviados imediatamente à África, provocando, em pleno século XXI, o revés da diáspora vivida pelo povo africano do Brasil escravocrata.

Ainda contemplados pelo Fazcultura, a peça A Voz do Campeão concorre em “Texto” (de João Alfredo Reis e Edvard Passos) e Camila Baker foi indicada pela atuação de Rafael Medrado na categoria “Ator”.

A 17ª montagem do Núcleo de Teatro do Teatro Castro Alves, vencedora do edital TCA.Núcleo 2011, da FUNCEB/SecultBA, Outra Tempestade, com direção de Luis Alberto Alonso e produção de Rafael Magalhães, assinada pela Carranca Produções Artísticas, tem em seu texto, escrito pelas cubanas Raquel Carrió e Flora Lauten, uma versão do clássico A Tempestade, de William Shakespeare. A peça foi indicada na categoria “Atriz” (Diana Ramos) e “Categoria Especial (Zuarte Jr., pelo figurino).

No universo dos espetáculos infanto-juvenis, Remendo, Remendó concorre em “Espetáculo Infanto-Juvenil”, além de “Revelação”, para a direção de Luiz Antônio Jr. A trama acontece numa pequena cidade do interior, quando o prefeito organiza um festival de contadores de histórias; ele reúne as mentes da região, que se desdobram contando suas melhores histórias numa disputa pelo prêmio: uma colher de ouro e um boi. A montagem, selecionada pelo edital Temporada Verão Cênico, depois de ter sido encenada dentro da programação do projeto na cidade de Valença, em 4 de janeiro, poderá ser vista em Salvador, no Teatro Módulo, em 29 de fevereiro, às 20 horas, com ingresso a R$ 1.

Jurados
A comissão julgadora do Prêmio Braskem de Teatro 2011 é composta por Adelice Souza (diretora teatral e escritora), Cláudio Cajaíba (ator e coordenador da Pós-Graduação da Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia – UFBA), Lia Robatto (coreógrafa e presidente do Conselho de Cultura da Bahia), Marcos Uzel (escritor e jornalista) e Paulo Henrique Alcântara (dramaturgo). Eles avaliaram 53 espetáculos, sendo 43 adultos e 10 infanto-juvenis, que estiveram em cartaz no período de 18 de março a 18 de dezembro de 2011 em Salvador.

Prêmio Braskem 2010
Na edição 2010 do Prêmio Braskem de Teatro, dez espetáculos beneficiados pela SecultBA concorriam em todas as oito categorias e arremataram quatro troféus. Pólvora e Poesia, apoiado por demanda espontânea pelo Fundo de Cultura da Bahia (FCBA) e que havia sido o campeão em indicações, conquistou o prêmio principal e também deu a Fernando Guerreiro o título de melhor diretor. Andrea Elia levou o prêmio de “Melhor Atriz” pela sua atuação em As Velhas, selecionada pelo edital Manoel Lopes Pontes – Apoio à Montagem de Espetáculo de Teatro, da FUNCEB/SecultBA. Também vencedor deste certame, que incluiu em sua minuta o compromisso de selecionar espetáculos infanto-juvenis, O Pássaro do Sol foi consagrado com o prêmio de “Espetáculo Infanto-Juvenil”. Leia mais sobre o Prêmio Braskem 2010 aqui.

Prêmio Braskem 2009
Na edição 2009 do Prêmio Braskem de Teatro, Uma Vez Nada Mais, dirigido por Hebe Alves, conquistou o prêmio principal e também deu a Aicha Marques o título de melhor atriz do ano. A peça foi montada com apoio do edital Manoel Lopes Pontes – Apoio à Montagem de Espetáculos de Teatro, da FUNCEB/SecultBA. Ao todo, naquele ano, os espetáculos beneficiados pelas políticas culturais da SecultBA estiveram em sete das oito categorias do Prêmio e ganharam cinco troféus. Para mais informações da edição 2009, acesse aqui.

Confira a lista completa dos indicados do Prêmio Braskem de Teatro 2011:
Espetáculo Adulto
Arbítrio
Fim de Partida
Meu Nome É Mentira
Namíbia, Não!
Sargento Getúlio

Espetáculo Infanto-Juvenil
As Rimas de Catarina
Brincando com a Morte
Protocolo Lunar
Remendo, Remendó
Um Dia a Casa Clown

Direção
Ewald Hackler (Fim de Partida)
Gil Vicente Tavares (Sargento Getúlio)
João Lima (As Rimas de Catarina)
Lázaro Ramos (Namíbia, Não!)
Luiz Marfuz (Meu Nome É Mentira)

Ator
Amarílio Sales (Diário do Farol: Onde as Palavras se Revelam Inadequadas)
Bira Freitas (As Rimas de Catarina)
Carlos Betão (Sargento Getúlio)
Gideon Rosa (Fim de Partida)
Rafael Medrado (Camila Baker)

Atriz
Diana Ramos (Outra Tempestade)
Maria de Souza (Fim de Partida)
Simone Brault (Quase Nada)
Vera Pessoa (Meu Nome É Mentira e Vestir os Nus)

Texto
A Voz do Campeão (João Alfredo Reis e Edvard Passos)
As Rimas de Catarina (Ilma Nascimento)
Meu Nome É Mentira (Luiz Marfuz)
Namíbia, Não! (Aldri Anunciação)
Quase Nada (Marcos Barbosa)

Revelação
Felipe Soledade (Pela direção do espetáculo “Quase Nada”)
Grupo “Teatro Base” (Pelo espetáculo “Arbítrio”)
Isis Gledhill (Pela direção do espetáculo “Vestir os Nus”)
Luiz Antônio Jr. (Pela direção do espetáculo “Remendo, Remendó”)
Yuri Tripodi (Pela interpretação no espetáculo “Arbítrio”)

Categoria Especial
Eduardo Tudella (Pela iluminação do espetáculo “Sargento Getúlio”)
Luciano Bahia (Pela trilha sonora do espetáculo “Meu Nome É Mentira”)
Pedro Dultra (Pela iluminação do espetáculo “Protocolo Lunar”)
Rino Carvalho (Pelo figurino do espetáculo “As Rimas de Catarina”)
Zuarte Jr. (Pelo figurino do espetáculo “Outra Tempestade”)

Anúncios

Os comentários estão desativados.